pulsando

Seguidores

quarta-feira, 16 de maio de 2018

Poema: SUPLÍCIO DE UMA SOLIDÃO.


Abandonada pelos encantos,  segue a vida abraçada
aos desenganos.
Restou-lhe o pranto  tempestuoso das  lágrimas ardidas,
das cicatrizes deixadas pelas feridas, lembrando a dor 
ressoante da solidão.
Em cada curva da estrada conhecida,  uma lembrança
assalta sua  alma de mulher sofrida,  vertendo lágrimas,
turvando  aqueles lindos olhos, ainda apaixonados.
Trôpega e ofegante, vaga à procura do  passado que  lhe
disse adeus.
Em sua face, os sulcos  mostram ao mundo  o quanto  é 
profundo o sofrimento.
Tarde demais para  arrependimento.
Muito cedo  para esquecer.
Hoje, escrava de uma  saudade impaciente, clama ao Céu 
por perdão.
Sem resposta e sem esperança, aumenta o suplício da 
solidão.
 
Sinval Silveira


8 comentários:

  1. Saudade é a memória do que ficou...

    ResponderExcluir
  2. Oi, querida Poetisa, Thaís Livramento, boa noite!
    Muito grato pela inteligente definição e carinhosa
    prsença.
    Olha, como é lindo o teu blog !
    Um carinhoso abraço e um ótimo final de semana.
    Sinval.

    ResponderExcluir
  3. A solidão é triste quando há arrependimento, mas se a alma "não é pequena"pode ser também libertadora.O perdão é o caminho.
    Um abraço

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Querida Socióloga /Poetisa, Guaraciaba Perides !
      Verdade e fico muitíssimo grato com tua
      atenciosa opinião.
      Um fraternal abraço, amiga, e uma ótima semana !
      Sinval.

      Excluir
  4. Um poema com uma história triste, como são sempre tristes os amores não correspondidos…
    Uma boa semana, meu Amigo Sinval.
    Um beijo, de cá, de Portugal.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Mestra querida, Poetisa, Graça Pires !
      Um poema baseado numa historia verdadeira...
      Fico honrado com tua costumeira atenção e te
      desejo uma semana muito feliz !
      Um fraternal abraço, aqui do meu Brasil.
      Sinval.

      Excluir
  5. Uma saudade que deixou marcas e arrependimento.
    Mas há sempre perdão, assim disse Jesus.
    Um poema muito sofrido e melancolico.
    um beijinho
    :)

    ResponderExcluir
  6. Querida Poetisa, Piedade Araújo Sol, boa noite !
    Real e comovente, este drama. Fico grato por tua
    atenção e sensibilidade, o que muito me honra.
    Um carinhoso abraço, aqui do Brasil, e uma ótima
    semana. !

    ResponderExcluir

Querido leitor...seu comentário é muito importante para mim. Obrigado.